Cavas, um brinde cheio de emoções...


Uma deliciosa experiência: a harmonização de Cavas. 
Para quem conhece pouco o tema "espumantes", pretendo abordá-lo aqui na "Vinho e Delícias", com muitos detalhes, e nesta minha busca de atualização sobre o tema, coincidentemente fui convidada a participar de um evento promovido pela "Confraria del Cava Sant Sadurni", foi a 4ª Investidura do Cava - Brasil 2012, que aconteceu semana passada no Hotel Renaissance em São Paulo. Tivemos uma super proveitosa palestra ministrada pelo Vice- Presidente da Confraria o Sr. Jaume Gramona da Cava Gramona, assim,  inicio este projeto borbulhante, falando dos Cavas.
No evento após as palestras, tivemos uma almoço harmonizado com os Cavas.

 Foram colocados à disposição para degustação os cavas das vinícolas Cordoniu, Freixenet, Gramona, Juvé y Camps e Segura Viudas, com delicioso almoço variado, de forma que pudéssemos descobrir possibilidades de harmonizações, e tenho que confessar minha surpresa pelo sucesso desta experiência, você irá entender o motivo da surpresa no desenrolar deste artigo.



Eu tinha ideia de que os Cavas pudessem se harmonizar muito bem com inúmeros pratos, mas a experiência não apontou falha de forma alguma, incluindo uma ousadia que foi harmonizar Crème Brulée, com um Cava Grand Reserva, um reserva da Família de 2007 de classificação Brut Nature (vejam a tabela no final deste artigo) da Juvé y Camps,  indescritivelmente maravilhoso, equilibradíssimo, sedutor, mas que infelizmente não colocarei as notas de degustação, pois não havia condições técnicas de realizá-la adequadamente.
Neste ponto os colegas enófilos apreciadores da arte da harmonização, devem estar pensando, mas como? Um prato doce, uma sobremesa, com um espumante brut nature? Claro que foi uma quebra de regras, afinal a regra é clara, vinho tem que ter a mesma doçura ou doçura superior ao prato para que haja a harmonização perfeita.
Mas sem rigidez, nem na vida nem nas harmonizações, certo?  Minha ousadia resultou em uma experiência mágica, bom, mas o Cava escolhido (
Cava Grand Reserva, um reserva da Família de 2007 de classificação Brut Nature da Juvé y Camps), certamente brilhou e segurou bravamente tal ato, pois é de uma personalidade e elegância impressionante. Extremamente sedutor, irei lamentar aqui, mais uma vez, o fato de não tê-lo degustado com a devida calma e condições de apreciá-lo tecnicamente, espero poder fazê-lo em breve. 


Para quem não teve a oportunidade de ser apresentado a este delicioso espumante espanhol, o Cava, elaborado pelo método champenoise, método também conhecido por método tradicional, o mesmo que se utiliza na elaboração do Champagne, abordarei alguns pontos que acho fundamentais. 

Em primeiro lugar, o Cava se fala no masculino, como se fala na Espanha, mas aqui pela terminação em A pode causar alguma dúvida. Se fala no masculino por dois motivos básicos e claros, o primeiro: é um vinho, ou seja o vinho do tipo Cava, e portanto masculino e o segundo, é um espumante, ou seja um espumante do tipo Cava, e portanto masculino, ok?

E o que seria o método champenoise? 

Método champenoise, ou método clássico é um método desenvolvido na França, para a elaboração dos champagnes, é um processo delicado cheio de passagens e que enobrece o produto, dando elegância e sofisticação tanto de aromas como de sabores, e consiste em linhas gerais num processo com duas fermentações, sendo a segunda desenvolvida na própria garrafa que você terá o privilégio de abrir. Esta segunda fermentação, que acontece na garrafa, é que formará as tão apreciadas bolinhas, ou seja, a espuma do Cava e os aromas característicos do "sur lie" bom mas isto é papo para um outro momento, não pretendo aqui entrar em aspectos técnicos, apenas traçar um contato inicial com este fantástico espumante, que por sinal no Brasil temos alguns a preços bem razoáveis, inclusive mais em conta do que vários espumantes nacionais.

Colocarei algumas sugestões em post na sequência deste, estou pesquisando preços.

Antes de prosseguir, queria lembrar aos colegas não tão familiarizados com este espumante que por todo o seu processo e carinho com que ele é elaborado, e a espera para a formação das bolhinhas, NUNCA em hipótese alguma se deve chacoalhar a garrafa ao abrí-la, pois este trabalho de meses será destruído ao perder a espuma e a perlage (bolhinhas), afinal se você quer apenas um vinho branco, pode escolher entre os vários que temos no mercado, ou se quer apenas barulho e folia compre uma cidra ou um espumante simples, que é o que combina com a sua proposta, mas se você quer ter o requinte de saborear um vinho espumante elaborado pelo método mais sofisticado, com toda sua supremacia e elegância, então abra-o com cuidado, sem estourar a garrafa, pois assim você irá poder ter em sua taça o requinte e o sabor desta experiência.

Seguindo no aprendizado...
Existem no mundo 3 espumantes que são "sempre", elaborados pelo método champenoise: 
O Champagne (França), o Cava (Espanha) e o Franciacorta (Itália).
É claro que existem vários outros espumantes pelo mundo, que são elaborados pelo método champenoise, mas atentem para o fato de que os citados acima são SEMPRE e tão somente pelo método champenoise. Agora vamos nos fixar nos Cavas e conhecê-los um pouco mais, a primeira coisa seria a meu ver ter conhecimento das uvas, pois estas variedades são exclusivas dos Cavas e diferenciam a bebida de outros espumantes.
Os Cavas são elaborados a partir das seguintes variedades de uvas brancas:
  • Macabeo
  • Xarel-lo
  • Parellada

podendo ser utilizadas também em menor escala as variedades

  • Chardonnay
  • Malvasia

ou das variedades de uvas tintas: (Existe a versão rosé do Cava)

  • Monastrell (Mourvèdre na França)
  • Garnacha Tinta (Grenache Noir na França)
  • Pinot Noir
  • Trépat

A região produtora dos Cavas, consiste de 159 municípios da Espanha, localizados nas províncias de: 

  • Barcelona - região onde ela se originou em 1872 no município de Sant Sadurni d'Anoia, que é o coração deste vinho.
  • Tarragona
  • Lleida
  • Gorona
  • La Rioja
  • Alava
  • Zaragoza
  • Valência
  • Navarra
  • Badajoz

Outra coisa interessante para o primeiro contato, seria poder entender a quantidade de açúcar contida neste vinho para facilitar sua escolha, aprendendo a fazer esta leitura pelo rótulo, existe uma classificação oficial de acordo com o teor de açúcar.
Vamos lá entender isto?

Vai notar no rótulo alguma dessas referências: Brut Nature, Brut Extra, Brut, Extra seco, Seco, Semi seco ou Dulce (doce), agora olhe a tabelinha abaixo que elaborei para nos orientarmos:

Classificação dos Cavas segundo teor de açúcar

Brut Nature
0-3 gramas de açúcar por litro
Brut Extra
Até 6 gramas de açúcar por litro
Brut
Até 12 gramas de açúcar por litro
Extra Seco
De 12 a 17 gramas de açúcar por litro
Seco
De 17 a 32 gramas de açúcar por litro
Semi Seco
De 32 a 50 gramas de açúcar por litro
Dulce
Mais de 50 gramas de açúcar por litro
Fonte dos dados: Consejo Regulador del Cava

Além desta classificação podemos escolher os Cavas segundo o tipo de envelhecimento, podendo ser classificada em:  Jovem, Reserva (no mínimo 15 meses de envelhecimento) e Gran Reserva (mais de 30 meses de envelhecimento), no caso do Cava branco e uma classificação para o Cava Rosado (rosé)

Finalizando este contato inicial com o cava,  que tal aprendermos um pouco mais sobre o serviço deste espumante, bem como as temperaturas recomendadas?
A melhor forma de gelar um espumante é colocá-lo num recipiente, com 1 parte de gelo e 1 parte de água, de forma a que possa ficar com o corpo do espumante submerso.
A temperatura ideal é de  5°a 8° sendo as temperaturas mais baixas recomendadas para os Cavas mais jovens. Deve ser servido em taças de cristal do tipo tulipa, afunilada, e nunca em quantias superiores a meia taça, para evitar perda de aromas e aquecimento do vinho na taça.


Agora com estas dicas iniciais, acredito que você possam escolhe um delicioso Cava para usufruír também desta saborosa experiência. ;-) 
Enoabraços

2 comentários :

lilia galvão disse...

Excelente explicação, texto e orientação sobre os cavas. Deliciar-se com um cava é um ritual de gratidão que nos conecta com a mãe Natureza em sua mais profunda generosidade. Parabéns. Lilia*

lilia galvão disse...

Excelente explicação, texto e orientação sobre os cavas. Deliciar-se com um cava é um ritual de gratidão que nos conecta com a mãe Natureza em sua mais profunda generosidade. Parabéns. Lilia*